Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ação de Fiscalização Conjunta da DRCA / SEPNA-GNR no Património Arqueológico de Vila do Bispo

No dia 18 de outubro o Concelho de Vila do Bispo recebeu uma ação de fiscalização conjunta no seu património arqueológico, histórico, arquitectónico e etnográfico. Tratou-se de uma iniciativa inédita a nível nacional no âmbito do Protocolo de Colaboração celebrado, no passado dia 20 de maio, entre a Direção Regional de Cultura do Algarve e o Comando Territorial de Faro do SEPNA-GNR (Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR) para a “Proteção do Património Cultural Imóvel do Algarve”.
A 1.ª fase desta iniciativa operou-se em duas Ações de Fiscalização Conjunta: uma primeira no Barlavento algarvio, nos concelhos de Vila do Bispo e Lagos, no dia 18, e uma segunda no Sotavento, nos concelhos de Alcoutim e Vila Real de Santo António, no dia 20 de Outubro.
Estas ações contam com o apoio e participação dos municípios envolvidos. No caso de Vila do Bispo foi organizado um programa articulado entre os técnicos da Direção Regional de Cultura e o arqueólogo municipal.
O nosso programa teve início no Centro de Interpretação de Vila do Bispo com o acolhimento de 13 militares oriundos dos destacamentos territoriais do SEPNA-GNR de Silves, Portimão, Albufeira e Faro. Seguiu-se um briefing introdutório onde participaram os arqueólogos da Direção Regional de Cultura, Cristina Garcia e Rui Parreira, o Professor João Pedro Bernardes da Universidade do Algarve, o Tenente-Coronel Lopes dos Santos Correia do SEPNA-GNR e Ricardo Soares, arqueólogo da Câmara Municipal de Vila do Bispo, com o qual se pretendeu dar a conhecer diferentes tipologias de património arqueológico, histórico e etnográfico, as respetivas formas de proteção legal (classificação, inventariação e zonas de proteção) e associados riscos de dano.
Com vista a futuras ações de fiscalização e proteção, a restante manhã foi preenchida com uma visita guiada ao terreno no sentido de dar a conhecer aos militares, in loco, uma série de referências locais relativas ao património arqueológico, histórico, arquitectónico e etnográfico, assim como as problemáticas associadas, designadamente exemplos de sítios expostos a atividades ilegais de detetorismo de metais, roubo de materiais arqueológicos, caravanismo e campismo selvagem.
Esta experimental Ação Conjunta de Fiscalização em Vila do Bispo seguiu uma sequência cronológica entre a Pré-história e a contemporaneidade etnográfica, passando por diversas realidades patrimoniais como os menires da Pedra Escorregadia, o sítio da Idade do Ferro localizado no Cerro do Castelo (Boca do Rio, Budens), a villa e a necrópole romana da Boca do Rio/Lomba das Pias, o forte setecentista de São Luís de Almádena e o edifício pombalino da armação de pesca da Boca do Rio.
A próxima fase desta iniciativa inclui módulos de formação teórica para militares do SEPNA e ações locais entre os arqueólogos municipais e os postos territoriais da GNR.